Eu sou...

Minha foto
Birigüi, São Paulo, Brazil
Tenho 30 anos, sou graduado em Letras pela Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigui (FATEB),graduado em História pela Universidade Toledo de Araçatuba e pós-graduado em Assessoria Bíblica pela Escola Superior de Teologia de São Leopoldo, Rio Grande do Sul (EST)em parceria com o Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos (CEBI). Atualmente professor da educação básica de escolas estaduais de SP e cursando o pós-graduação em História Cultural pelo Centro Universitário Claretiano.

terça-feira, 20 de março de 2012

PARÁBOLA DO HOMEM IMPRUDENTE

Certa vez, havia um jovem que morava com sua avó, uma senhora muito pobre e doente. Apesar de magricelo, todos os dias ele ia para a roça trabalhar. Saía bem cedo e voltava quase à noite. O caminho era distante e o jovem o percorria a semana toda a pé.


No caminho para o trabalho, ele passava por uma rua de um bairro muito rico, com casas muito bonitas. Uma destas casas pertencia ao homem mais rico do bairro e esse homem possuía um animal de estimação: um jaguar feroz.

O animal era grande e ficava preso a uma corda muito fina. Toda vez que o jovem passava, o jaguar avançava muito bravo, no entanto, o jovem não tinha muitas opções para mudar de caminho, pois aquele era o caminho mais próximo para sua morada, caso contrário, chegaria muito mais tarde e ele precisava ajudar sua avó com o jantar e sentar-se à mesa com ela para partilhar o pão amanhecido. O máximo que podia fazer era atravessar a rua para não passar tão próximo da fera.

Um dia, o jovem voltava muito cansado do trabalho e, passando pela rua onde morava o rico com seu jaguar, escutou um rugido muito alto. Era a fera que havia escapado e estava a poucos metros dele. O rapaz tentou correr desesperadamente, mas o jaguar foi muito mais veloz e ágil e o capturou. Mesmo o rapaz se defendendo, não pôde suportar o ataque do animal que, em poucos minutos, já estava com coração do jovem entre as presas.

Ao ver aquilo, o dono do jaguar pegou o animal e levou para dentro de sua casa e o limpou, entretanto, havia testemunhas que, de longe, puderam ver o ataque.

Foram imediatamente avisar a avó do rapaz. Esta ficou muito triste e se desmanchou em lágrimas, pois era o único filho de sua filha, a qual havia morrido há um ano atrás.

Passados alguns dias, o dono do jaguar e a avó do rapaz assassinado foram prestar contas ao juiz - O que a senhora tem a dizer? - perguntou o juiz. A avó do rapaz respondeu: Era meu único neto, não sei mais o que fazer. Estou desamparada e meu coração é cheio de tristeza, pois perdi um filho! - e continuava chorando e batendo no peito: - Eu me derramo como água e meus ossos todos se desconjuntam; meu coração está como cera, derretendo-se dentro de mim.

O juiz ficou incomodado com aquilo e mandou que a mulher se calasse. Depois, pediu ao homem rico: O senhor pode me dizer o que aconteceu? - eis que o homem respondeu: Meritíssimo, eu lamento muito o sofrimento desta mulher, mas a culpa não é minha e muito menos do meu jaguar, pois é um animal e não tem juízo. Sempre o deixei amarrado e dentro de casa. Certamente, o rapaz deve tê-lo provocado e até mesmo tentado entrar em minha casa, pois sempre passava pelo bairro espreitando as casas. Se ele não tivesse passado ali, nada disso teria acontecido. Aliás, meu animal poderia ter machucado os dentes, pois o rapaz era puro ossos.

Vendo a argumentação do homem rico, o juiz encerrou o caso alegando não haver motivos para condenar o animal nem seu dono e que, na verdade, o animal estava apenas protegendo seu território.

O homem rico ficou muito satisfeito com a justiça que o juiz lhe havia feito e voltou para casa onde comemorou com os seus a sua inocência.

A senhora voltou para sua casa pobre onde terminou seus dias sob uma terrível angústia.

Em verdade eu vos digo: Ai daquele que usa da lei dos homens para se manter acima de seus semelhantes. Deus é soberanamente justo e bom. Assim como Jesus foi injustiçado e assassinado pelos homens e Deus o ressuscitou, também a senhora idosa será ouvida e consolada e a justiça prevalecerá! Quem souber enxergar por trás destas palavras, que veja!

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget